STJ determina que segurada escolha benefício previdenciário para afastar desaposentação

Uma segurada deverá optar entre aposentadoria obtida na via judicial e o benefício do INSS obtido administrativamente. Assim determinou a 2ª turma do STJ como forma de afastar quadro semelhante ao de desaposentação – prática vedada pelo STF.

 

 

t

 

 

O pedido de aposentadoria havia sido negado pelo INSS em 2013. Depois que a Justiça reconheceu o direito da segurada, ela informou nos autos que o INSS decidiu conceder o benefício em 2017.

Diante da situação, a segurada requereu o direito de optar pelo benefício mais vantajoso e, caso a aposentadoria mais vantajosa fosse a concedida administrativamente, que ela não fosse obrigada a desistir de executar as parcelas retroativas do benefício obtido em juízo.

Ao analisar a ação, o TRF da 4ª região entendeu ser possível a manutenção do benefício autorizado de forma administrativa no curso da ação e, concomitantemente, a execução das parcelas do benefício postulado na via judicial até a data da implantação administrativa.

Em recurso especial, o INSS alegou que a decisão equivaleria à prática vedada de desaposentação – pedido de cancelamento de um benefício de aposentadoria deferido pelo INSS para que outra aposentadoria seja concedida em data posterior considerando os salários de contribuição recolhidos após a primeira aposentadoria.

Via judicial vs. administrativa

Ao analisar o recurso, o ministro Herman Benjamin, relator, explicou que o STF fixou a tese de que, no âmbito da Previdência Social, somente a lei pode criar benefícios e vantagens, não havendo, por ora, previsão legal do direito à desaposentação.

“Não é permitido, portanto, conceder ao aposentado qualquer outro tipo de benefício previdenciário, inclusive outra aposentadoria, o que resulta na conclusão de que não poderá ser utilizado mesmo tempo de contribuição já considerado para conceder um benefício (aposentadoria renunciada) para a concessão de nova e posterior prestação (aposentadoria mais vantajosa)”.

Considerando a peculiaridade do caso, o relator decidiu que a segurada deveria poder optar por apenas um dos benefícios.

Por maioria dos votos, a 2ª turma do STJ decidiu que, caso a mulher opte pelo benefício adquirido judicialmente, este deverá ser implantado definitivamente, sem a necessidade de devolução dos valores recebidos no período em que vigorou a aposentadoria concedida na via administrativa.

Caso a segurada opte pelo benefício originado administrativamente, ela não poderá pleitear as parcelas passadas relativas à aposentadoria judicial.

[dt_gap height=”60″ /]

 

Fonte:https://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI313973,41046-STJ+determina+que+segurada+escolha+beneficio+previdenciario+para?U=C141209F_E79&utm_source=informativo&utm_medium=296&utm_campaign=296

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Fale conosco!
X