Pandemia leva a redução e congelamento de salários e demissões, diz pesquisa

Empresas afetadas pela pandemia tiveram que reduzir salários, congelar contratações e planejam fazer demissões. Esses são alguns dos resultados da Pesquisa sobre Estratégias de Capital Humano frente aos Impactos da Covid-19, feita pela Willis Towers Watson, empresa global de consultoria, corretagem e soluções para gerenciar riscos, otimizar benefícios e desenvolver talentos.

A pesquisa foi realizada em diversos países na América Latina entre os dias 7 e 14 de abril e coletou informações sobre o impacto da Covid-19 nos negócios e sobre as estratégias que as empresas estão planejando para temas organizacionais, de recompensas, de gestão de talentos, novas formas de trabalho e aspectos trabalhistas. No total, foram 635 empresas participantes na América Latina, sendo 176 no Brasil.

Confira alguns destaques da pesquisa no Brasil:

  • A maioria das empresas (54%) acredita que a Covid-19 terá impacto negativo em seus negócios até os próximos 12 meses;
  • Aproximadamente 70% das empresas fizeram ou consideram fazer ajustes nas suas previsões de resultados financeiros em função da pandemia. As principais medidas adotadas ou planejadas são relacionadas à contenção e adiamento de despesas diretas, inicialmente evitando impactos diretos sobre os funcionários;
  • 20% a 30% das empresas implementaram ou consideram implementar reduções salariais conforme o nível organizacional, com reduções também na faixa de 20% a 30%;
  • 36% estão planejando ou considerando demitir;
  • 49% reduziram ou adiaram aumentos de mérito e 19% consideram ou planejam;
  • 32% congelaram salários e 19% consideram ou planejam;
  • 10% reduziram salários e jornada de trabalho e 47% consideram ou planejam;
  • Um quarto das empresas alterou as datas de revisão salarial e outras 27% estão considerando fazê-lo;
  • Quase dois terços congelaram ou postergaram novas contratações;
  • Cerca de metade das empresas concedeu férias obrigatórias;
  • 10% reduziram a projeção de pagamento de bônus/PLR e 33% consideram ou planejam
  • Cerca de dois terços das empresas ainda não definiram mudanças nos indicadores ou metas do plano anual de bônus para 2020;
  • 12% reduziram a remuneração do Conselho de Administração e 14% consideram ou planejam
  • 92% estabeleceram novas restrições à política de viagens;
  • Metade das empresas ainda não definiu os ajustes nos incentivos de longo prazo de 2020.
 

O foco inicial das medidas tomadas pelas empresas foi na segurança e saúde de seus colaboradores:

  • Cerca de metade das empresas tem mais de 75% de seus colaboradores trabalhando remotamente (home office). Antes da crise, eram apenas 2%;
  • 69% informaram que não há uma data final programada para os sistemas de trabalho flexíveis devido à incerteza da situação;
  • 79% criaram grupos de gestão de crise para monitoramento da pandemia e análise de medidas;
  • 66% ampliaram a comunicação interna com os empregados sobre seus benefícios;
  • 92% adotaram processos rígidos de limpeza e desinfecção de áreas operacionais que não podem ser interrompidas;
  • 80% estão fornecendo equipamentos de proteção individual para funcionários essenciais à manutenção das operações.
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Fale conosco!
X