Ministro da Justiça diz que é legítima indignação dos brasileiros com a corrupção

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), afirmou nesta segunda-feira, que é “legítima indignação dos brasileiros com a corrupção”, uma das principais motivações, segundo ele, dos massivos protestos realizados ontem contra a presidente Dilma Rousseff em diversas cidades do País.

A exemplo do que fez em coletiva de imprensa ontem, após as manifestações, Cardozo defendeu que os atos têm “caráter democrático” e disse que os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma deram condições para que as investigações de malfeitos fossem conduzidas com independência e “transparência”. De acordo com ele, esse novo cenário de autonomia dos órgãos de controle fez com que a população tomasse conhecimento das denúncias, o que antes não acontecia.

“O governo vai continuar apoiando as investigações e reafirma que, sem que se façam prejulgamentos, os que praticaram os atos ilícitos terão investigações imparciais para chegar ao que a população deseja, a punição.” Declarou também que “(O governo) irá se empenhar em melhorar as instituições brasileiras, tomando medidas para combater a impunidade”, declarou.

O ministro da Justiça participou nesta manhã de uma reunião da coordenação política de Dilma para debater a crise política, aumentada pelos protestos de ontem. Estiveram presentes o vice-presidente Michel Temer e os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Jaques Wagner (Defesa), Gilberto Kassab (Cidades), Eliseu Padilha (Aviação Civil), Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), além de Cardozo e de Eduardo Braga (Minas e Energia). Giles Azevedo, um dos assessores mais próximos de Dilma, também participou.

Cardozo reafirmou que Dilma encaminhará até o final da semana o pacote de medidas anticorrupção prometido na campanha, como um projeto que torna crime a prática de “caixa 2”.

Segundo ele, o governo está inteiramente aberto ao diálogo com o Congresso Nacional e com todas as forças sociais. Ele disse que o Planalto vai buscar esse debate tanto com aqueles que apoiam a presidente Dilma quanto com os que fazem oposição a ela.

“Estamos abertos a debater com a sociedade brasileira todas e quaisquer sugestões que sejam colocadas para nós. É fundamental que nesta hora busquemos encontrar nossas convergências. O Brasil precisa se tolerar e construir alternativas para que possamos atuar bem no campo econômico e político.” Ele também pediu que a sociedade brasileira reaja aos que defendem o “quanto pior melhor”. “Os brasileiros e as brasileiras têm de reagir a isso. As pessoas que têm responsabilidade com o País devem neste momento estar juntas”.

Fonte: CP

 

Open chat
Fale conosco!
X