Dilma diz que não aumentará salários dos servidores e briga com a CUT

A presidente Dilma Rousseff pôs fim à lua de mel do governo com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do PT. A interlocutores, deixou claro que está mais preocupada com o controle dos gastos públicos.

A principal orientação de Dilma para lidar com as reivindicações dos servidores – mobilizados pela CUT – é resistir às pressões que inflem gastos com pessoal, de quase R$ 200 bilhões. A orientação é baseada na expectativa de um crescimento ainda menor da economia neste ano.

“Por enquanto, não tem negociação, tem enrolação”, ataca o presidente da CUT, Artur Henrique. Depois de conversar com o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, principal interlocutor do governo com movimentos sociais, o presidente da CUT diz que não lhe pediram moderação. “Ninguém seria louco de fazê-lo”, afirmou. Ele contabiliza 248 greves de servidores entre 2003 e 2010 para negar que a relação da CUT com o governo Lula fosse tranquila, mas insiste em que o cenário mudou com a posse de Dilma.

Dados sobre gastos com o funcionalismo público mostram que a folha de salários cresceu acima da inflação desde 1995, início do primeiro governo Fernando Henrique Cardoso. O aumento foi maior a partir do primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. Em valores corrigidos pela inflação, o gasto com pessoal nos três Poderes caiu em 2011 em relação ao ano anterior, calculou a ONG Contas Abertas. Os gastos com pessoal vêm caindo desde 2010 como proporção do Produto Interno Bruto (PIB).

“Não dá para retroceder em relação aos oito anos de governo Lula”, reclama o presidente da CUT. “Não dá para esticar essa corda”, diz, cobrando uma resposta rápida do governo, o que, segundo ele, poderia evitar uma greve geral dos servidores. O prazo para o envio ao Congresso da proposta com a previsão de gastos para correção dos salários em 2013 é 31 de agosto, quando o governo formaliza o projeto de lei orçamentária para o ano que vem. O governo insiste em que não apresentará uma resposta aos sindicalistas antes do fim do mês, como cobra a CUT e entidades sindicais filiadas à central.

Até lá, para a preocupação do governo, policiais federais e auditores fiscais ameaçam aderir ao movimento iniciado há quase dois meses pelos professores universitários e que já envolve servidores de 26 setores em 22 Estados e no Distrito Federal. Um acampamento na Esplanada está marcado para acontecer entre os próximos dias 16 e 20.

O governo tenta conter a tensão com os servidores, pelo menos até encontrar uma contraproposta aos funcionários que já pararam ou ameaçam cruzar os braços, provavelmente envolvendo acenos para 2014, último ano de mandato da presidente. Militares são tratados como um capítulo à parte.

“Estamos diante de um jogo de xadrez bem complexo, em que o movimento de um peão pode pôr em risco a posição do rei: quando movermos uma peça, temos de saber o impacto em todo o tabuleiro”, compara o economista Sérgio Mendonça, secretário de relações do trabalho do Ministério do Planejamento. Ele coordena a mesa permanente de negociação há quatro meses.

O Planejamento já determinou o corte do ponto dos funcionários grevistas. Os reitores das universidades têm reunião marcada para quarta-feira em Brasília para decidir se levarão adiante o desconto nos salários dos professores, há mais de um mês em greve. “O orientação para todas as áreas é fazer o desconto dos salários, mas as universidades têm autonomia para fazer isso”, pondera o secretário, preocupado em não azedar a relação com o movimento sindical.

A principal fonte de pressão ao governo é a CUT, que mobiliza os servidores para uma greve geral do funcionalismo. “Vemos isso com naturalidade, a CUT tem o papel dela, é legítimo que pressione”, pondera o secretário do Planejamento. É até bom para o governo que a CUT mantenha sua independência”, completa. “Cada um faz o seu papel”, avança o sindicalista Manoel Messias, ex-secretário da CUT, recém-nomeado para o cargo de secretário de relações de trabalho do Ministério do Trabalho.

O presidente da CUT prevê um segundo semestre de greves também no setor privado, sobretudo de bancários e trabalhadores da construção civil, setores econômicos mais aquecidos. Para se antecipar a greves de trabalhadores da construção civil com impacto nos canteiros de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o governo vem mantido conversas com sindicatos de patrões e empregados do setor.

 Fonte: AGAFISP

Open chat
Fale conosco!
X