Crise com Bezerra, vetos e emendas teriam adiado votação da Previdência

Senadores e técnicos do Congresso Nacional ouvidos pelo UOL afirmaram que três fatores foram determinantes para a decisão do presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), de adiar a votação da reforma da Previdência.

O primeiro é que Alcolumbre teria tomado as dores do líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), alvo de uma operação de busca e apreensão em seu gabinete. O constrangimento político levou o presidente do Senado a soltar uma nota criticando a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

O segundo: há uma pressão no Congresso para que sejam votados os projetos de crédito suplementar para garantir o pagamento de emendas parlamentares prometidas pelo governo em troca de votos favoráveis à reforma da Previdência.

Por fim, os vetos que precisam ser analisados pelo Congresso. “Alcolumbre também estaria interessado em limpar a pauta dos vetos. Depois da operação contra o Bezerra, o ambiente piorou e muitos senadores e deputados querem derrubar os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de abuso de autoridade. Para finalizar, virão os vetos à reforma eleitoral e ele teria interesse em limpar a pauta”, disse ao UOL um parlamentar reservadamente.

Bolsonaro ainda não decidiu se vetará as mudanças feitas pelo governo na legislação eleitoral aprovada pelo Congresso. O texto precisa ser promulgado até 3 de outubro para valer nas eleições municipais de 2020. Com a sessão de amanhã, Alcolumbre deixaria a pauta limpa para apreciar eventuais vetos ao projeto aprovado.

[dt_gap height=”60″ /]

 

Fonte:https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/09/23/reforma-previdencia-adiamento-emendas-bezerra-alcolumbre.htm

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Fale conosco!
X