Campanha Salarial: Ato público mostra força das carreiras típicas de Estado

A ANFIP e as entidades da Campanha Salarial Conjunta lotaram a área em frente ao Ministério do Planejamento nesta quinta-feira (28), em Brasília, num ato público para exigir do governo a valorização das carreiras típicas de Estado e a justa recomposição salarial.

O presidente da ANFIP, Álvaro Sólon de França, falou sobre o sentimento de indignação que move os servidores. “Estamos aqui brigando para que o governo cumpra a Constituição Federal, que prevê, no inciso X do seu artigo 37, a revisão anual dos salários dos servidores. Não somos servidores do governo nem apadrinhados políticos. Somos servidores concursados, que dedicam as vidas ao Estado. E o Estado vem sendo sucateado, inundado pela contratação de comissionados, muitas vezes por valores maiores do que aqueles pagos aos servidores efetivos.”

 Para o presidente da ANFIP, o governo demonstra que há, sim, dinheiro em caixa ao adotar medidas como a desoneração da folha de pagamentos da indústria e a ajuda a bancos falidos. “O governo gasta milhões com ações como essas, mas na hora de cumprir a Constituição quanto ao reajuste dos servidores, alega que não há recursos.”

Ele falou também dos sucessivos recordes de arrecadação – em 2011, por exemplo, as arrecadações chegaram a quase R$ 1 trilhão e a constituição de créditos em fiscalização junto às empresas a mais de R$ 106 bilhões -, atribuindo esses resultados ao trabalho das carreiras típicas de Estado, em especial dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil. “Não vamos desistir enquanto as nossas reivindicações não forem atendidas. Queremos uma proposta efetiva, e não apenas conversas. O governo tem que ter compromisso com o servidor público e com a nação brasileira. Não temos receio de reivindicar, ao contrário daqueles que não são concursados e que estão a serviço de outros interesses que não os da nação brasileira.”

O presidente da ANFIP ressaltou ainda a importância da união das entidades. “O governo não pensava que as carreiras se uniriam em torno da campanha salarial. Nesta tarde demonstramos que as carreiras estão mobilizadas a serviço do Estado brasileiro. Somos servidores de Estado e estamos a serviço do Estado.” Nesta sexta-feira (29), a ANFIP e as entidades representativas dos servidores irão se reunir com o secretário executivo do Ministério do Planejamento, numa nova rodada de negociação.

Servidores mobilizados – Auditores Fiscais da RFB de vários estados vieram a Brasília para o ato, demonstrando a força do movimento. Para a auditora fiscal Lysie Doherty, de Niterói (RJ), o ato pode fazer com que o governo dê uma resposta efetiva às carreiras. “Estamos mobilizados há algum tempo e nossas entidades representativas ainda não conseguiram ser ouvidas. Somos servidores de carreiras estratégicas do Estado. Mesmo assim, não temos um reajuste há quatro anos. Nossa remuneração está defasada, estamos perdendo nosso poder de compra.” Ela também afirmou que a valorização das carreiras passa ainda pela ampliação do quadro. “O governo apenas retira direitos dos servidores. Além dos salários defasados, o governo está enxugando o quadro e os servidores estão cada vez mais sobrecarregados.”

A auditora fiscal aposentada Sandra Maria Ricaldoni Lima, de Belo Horizonte (MG), avalia que a manifestação demonstra ao governo que os servidores estão unidos para lutar por seus direitos. “O governo passa, mas os servidores permanecem, e somos nós que temos um compromisso com a sociedade. Vejo que o movimento está se tornando mais forte e o servidor mais consciente da importância da luta.”

Para a auditora Maria Cristina Abrita, da Bahia, o caminho para que as reivindicações das carreiras sejam atendidas é mesmo o da mobilização conjunta. “Demonstramos hoje que as entidades estão unidas e os servidores mobilizados. E não só aqui, mas também dentro das repartições, com a adoção da operação padrão e crédito zero.”

 Fonte: Anfip

Open chat
Fale conosco!
X