Banco é condenado por desconto indevido de consignado em pensão de deficiente mental

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) confirmou sentença que fixou em R$ 15 mil a indenização por danos morais devida a uma portadora de deficiência mental, representada por sua curadora, pelo desconto indevido de empréstimo consignado em sua pensão. A decisão inclui ainda o pagamento do valor debitado sem contratação por período superior a dois anos, a ser apurado.

Com pensão previdenciária no valor de R$ 510,00, a mulher passou a ter descontos efetuados a partir de maio de 2010. Houve período em que a autora nem sequer teve saldo a receber. Após insistentes pedidos e registro de boletim de ocorrência, o banco promoveu a devolução de apenas R$ 440. Em apelação, a instituição bancária alegou que não pode ser penalizada pela ação de falsários. Segundo o Tribunal, bastava observar o histórico das movimentações na conta da cliente para identificar a pertinência ou não de cada débito lançado.

Os desembargadores notaram também que a instituição bancária em momento algum comprovou a contratação dos empréstimos consignados ou a licitude dos descontos efetuados, tanto que não impugnou os motivos sobre os quais se fundou a causa de pedir. O banco limitou-se a argumentar, nas oportunidades em que se manifestou nos autos, a ausência de dano moral indenizável.

Fonte: TJ-SC

Open chat
Fale conosco!
Powered by
X