QUEM FAZ O BLOG

Vicente Nunes Repórter há 30 anos. Não dispensa a boa informação. Está no Correio Braziliense desde 2000. Tem passagens pelo Jornal do Commércio, O Globo, Jornal do Brasil, Estado de S. Paulo e Gazeta Mercantil.

 

HAMILTON FERRARI

Mais nomes para a equipe econômica do governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL) devem ser anunciados até o fim desta semana pelo o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. O secretário da Fazenda da pasta deve ser o engenheiro cearense Waldery Rodrigues Júnior, que integra o governo de transição. Em reunião com os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), Guedes apresentou o engenheiro como o responsável por comandar toda a estrutura que hoje é comandada pelo ministro da Fazenda.

A Secretaria vai fazer parte do Ministério da Economia. Ela será responsável pelo Tesouro Nacional, a Secretaria de Política Econômica (SPE) e outras “uma ou duas secretarias ficarão abaixo”, segundo fonte do novo governo, que também confirmou a provável nomeação de Waldery Rodrigues Júnior.

Apesar de ser engenheiro pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica, ele fez doutorado em economia pela Universidade de Brasília (UnB).

Além dele, os economistas Marcos Troyjo e Marcos Cintra devem assumir as secretarias de Comércio Exterior e da Receita Federal e da Previdência, respectivamente.

O economista Abraham Weintraub, que está na equipe de transição, deve assumir a secretaria-executiva da Casa-Civil, garantem fontes do grupo. Ele, junto com o irmão Arthur Weintraub, que também está na equipe, são considerados grandes conhecedores da Previdência Social. Abraham Weintraub será escalado para lutar pela aprovação da reforma das regras previdenciárias em 2019. Guedes quer aprovar o texto — que ainda deve ser enviado ao Congresso Nacional — no primeiro semestre do próximo ano.

O futuro governo do presidente Jair Bolsonaro deve apresentar uma proposta própria de reforma da Previdência, como já admitiu o economista Carlos Alexandre da Costa, que compõe a equipe de transição. No último sábado, Guedes admitiu no 4º Congresso Nacional do Movimento Brasil Livre (MBL) que o economista, que foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), também assumirá uma secretaria, como antecipou o Blog. Ele deve ser secretário da área que trata de Indústria, Comércio e Serviços, que deve ser nomeada de Produtividade.

Fonte:  Correio Braziliense