A votação da PEC 241/16, do teto de gastos, está prevista para 10 e 11 de outubro

Reunião do presidente Temer com líderes da base governista no Palácio Alvorada

O presidente Michel Temer promoveu, no início da noite, no Palácio Alvorada, a primeira reunião ministerial do governo, após o impeachment, juntamente com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Renan Calheiros, e os líderes da base aliada.

Os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Fazenda, Henrique Meirelles, defenderam o ajuste fiscal, e a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/16, que limita os gastos públicos.

Segundo o líder do governo na Câmara, deputado Andre Moura (PSC-SE), a votação da PEC 241/16 no Plenário da Câmara está prevista para os dias 10 e 11 de outubro. Antes disso, já na semana que vem, o texto deve ir à votação na comissão especial em que está sendo analisado.

O deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) já adiantou que o partido tem dificuldade de apoiar totalmente a PEC do teto de gastos, principalmente quanto aos itens saúde e educação. Ele disse que o presidente Temer colocou os ministros a disposição para tirar dúvidas sobre os pontos da proposta.

Estados
O relator da matéria, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), garantiu que os estados não estão incluídos no ajuste fiscal, porque os governadores têm mecanismos de ajuste por meio da Lei de Responsabilidade Fiscal. Ele assegurou que a PEC 241/16 se restringe à União. Ele acrescentou que não haverá corte na saúde e na educação.

Moura considerou histórica a reunião. “Deu uma dimensão nunca antes vista nos últimos tempos”. Para ele, o presidente Temer demonstrou apreço pelo Parlamento e liderança “para reconstruir o nosso País “.

Fonte: Câmara