O Governo Federal deverá apresentar a proposta da reforma da Previdência Social às centrais sindicais apenas na próxima terça-feira (11), quando espera que esteja aprovada, no primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que fixa um limite de crescimento do gasto público com base na inflação.  A informação foi dada pelo deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SD-SP), que participou de reunião com líderes da base aliada da Câmara com o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Governo).
Segundo Paulinho, o presidente Temer afirmou que a prioridade no momento é aprovação da PEC do gasto e que fará um jantar no domingo para manter a base mobilizada. O deputado ressaltou que tem dito ao governo que é preciso paciência nas negociações com relação às mudanças na Previdência Social. “Estou disposto a negociar, se o governo não atropelar”, disse, referindo-se às negociações.
Paulinho defende a fixação de uma idade mínima para os nascidos a partir de 2001. O governo Temer deve apresentar uma proposta de reforma de Previdência que exija uma idade mínima de 65 anos de aposentadoria para trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos.
Segundo o deputado, uma mudança na idade mínima no momento não resolveria o problema de curto prazo da Previdência. Para ele, o governo deveria adotar medidas como criar um parcelamento especial para dívidas previdenciárias, cobrar contribuição previdenciária do agronegócio e acabar com as desonerações sobre a folha de pagamentos.
Fonte:  Previdência Total