Fragilidade é a palavra que define a atual situação dos sindicatos brasileiros. Nos quatro primeiros meses de 2018, a arrecadação caiu 88%, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O motivo da crise é fácil de ser explicado: reforma trabalhista.

Com a nova legislação, que entrou em vigor em novembro do ano passado, a cessão obrigatória do equivalente a um dia de trabalho foi extinta. Antes, o valor era repassado para os sindicatos, centrais e federações que representam cada categoria. Agora, a contribuição é voluntária. Ou seja, a empresa só pode descontar se o funcionário fizer uma autorização por escrito.

O MTE divulgou que, em abril de 2018, o total arrecadado foi de R$102,5 milhões. O valor representa 90% a menos do que em abril de 2017.

Para driblar a crise, lideranças sindicais têm tentado ser mais atuantes para conquistar novos associados, e por consequência, arrecadar mais recursos. Depois da reforma trabalhista, é comum ver mobilizações sindicais em portas de fábrica, por exemplo.

Fonte:  NBO