O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (4) que, se a proposta de reforma da Previdência for aprovada, vai colocar “o país para andar” e acrescentou que o sistema de capitalização proporcionaria um “choque de emprego”.

O sistema de capitalização prevê que cada trabalhador contribua para sua própria aposentadoria, diferente do sistema atual, em que os benefícios são garantidos por contribuições de todos trabalhadores do setor privado.

Segundo o ministro, para viabilizar a capitalização seria necessária uma economia de, ao menos, R$ 1 trilhão em dez anos. A proposta do governo prevê uma economia um pouco maior, de R$ 1,23 trilhão nesse período, caso seja implementada integralmente, ou seja, sem alterações.

“Pelo menos deem uma chance de a nova previdência nascer. Vamos conversar”, pediu o ministro durante a audiência.

O ministro da Economia, Paulo Guedes — Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom

                            O ministro da Economia, Paulo Guedes — Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom

De acordo com o ministro da Economia, essa “potência fiscal” de R$ 1 trilhão geraria “liberdade para as futuras gerações”, que poderiam ingressar em uma “previdência diferente”.

“Será tão solidária quanto essa de hoje”, declarou ele.

O ministro da Economia disse, ainda, que o país está crescendo 0,6% ao ano há dez anos, e que isso não é coincidência.

“O Brasil é uma baleia ferida que foi arpoada várias vezes e parou de se mover. Temos que retirar os arpões, consertar o que está equivocado. Não tem direita e nem esquerda. Precisamos reerguer a economia brasileira”, afirmou.

Guedes também afirmou que o setor público é uma “máquina perversa” de transferência de renda, o que, em sua visão, é “inconcebível.” De acordo ele, os recursos estão concentrados em gastos previdenciários e distribuição de benefícios fiscais para a classe mais favorecida da população.

Ele defendeu que os recursos sejam direcionados para políticas de saúde, educação e saneamento básico, por exemplo.

Agenda construtiva

Guedes afirmou que, se a reforma da Previdência for aprovada, será possível encerrar a fase de “contenção” de danos para se concentrar em uma “agenda construtiva”, que englobará a reforma tributária e a discussão do pacto federativo.

No caso da reforma tributária, ele propôs a redução de privilégios, como deduções do Imposto de Renda e isenções para instituições, como escolas e hospitais que atendem à classe mais favorecida de renda.

Além disso, também reafirmou a necessidade de juntar impostos federais em um tributo nos moldes do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA), mas sem incluir os estados e municípios – diferente da proposta que tramita na Câmara dos Deputados.

“Gostaríamos que estados e municípios tivessem liberdade de decidir”, disse. “Vamos trazer uma proposta de redução, simplificação de impostos, e vamos olhar para essa dimensão social”, completou.

,

Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/06/04/reforma-da-previdencia-bota-brasil-para-andar-e-capitalizacao-da-choque-de-emprego-diz-guedes.ghtml