Novas medidas dariam mais flexibilidade para contratar e demitir funcionários.

François Hollande diz que quer que jovens tenham mais estabilidade.

Milhares de pessoas foram às ruas nesta quarta-feira (9) na França para protestar contra reforma trabalhista (Foto: REUTERS/Jean-Paul Pelissier)

Milhares de trabalhadores e estudantes protestaram nesta quarta-feira (9) em Paris e outras cidades da França contra uma impopular reforma trabalhista que dividiu a maioria socialista do presidente François Hollande, a 14 meses das próximas eleições.

Na capital, jovens e estudantes secundaristas protestam desde o início da manhã, apesar de uma chuva torrencial, atirando ovos, lançando rojões e erguendo cartazes que denunciam a lei proposta pela ministra do Trabalho, Myriam El Khomri.

A reforma inclui medidas que concederiam mais flexibilidade às empresas para contratar e demitir trabalhadores, em uma tentativa de contrabalançar o desemprego que beira os 10,2% e que afeta principalmente os jovens (24%).

Estudantes protestam em Paris nesta quarta-feira e exibem faixa 'Estudantes contra a lei trabalhista'; (Foto: REUTERS/Philippe Wojazer)

Também reduzirá o pagamento de horas extras além das 35 semanais, instauradas na década de 90 em uma tentativa dos socialistas de gerar emprego. Em alguns setores, os jovens poderiam trabalhar até 40 horas semanais.

Cerca de meio milhão de pessoas estiveram em manifestações em toda a França, de acordo com números estimados por vários sindicatos. O Ministério do Interior afirma que foram 224 mil pessoas.

A CGT afirmou que só em Paris 100 mil pessoas saíram às ruas para protestar, enquanto a polícia estima 30 mil participantes.

‘Traição contra os jovens’

“El Khomri está perdida, a juventude está unida”, gritavam os manifestantes, que consideram que o projeto de lei fragiliza as garantias de emprego e ameaça suas perspectivas de carreira.

Para William Martinet, presidente da organização estudantil UNEF, essas medidas são “uma traição contra os jovens”.

Estudantes participam de protesto em Paris contra reforma nas leis trablahistas (Foto: REUTERS/Christian Hartmann)

Mais de um milhão de pessoas assinaram uma petição on-line contra o projeto de lei, que segundo uma pesquisa é rejeitado por sete em cada dez franceses.

‘Mais estabilidade’

O presidente François Hollande, que fez campanha com a promessa de melhorar as perspectivas dos jovens, disse na véspera dos protestos que queria ajudá-los para que tenham “mais estabilidade trabalhista”.

“Também devemos dar às empresas a oportunidade de contratar mais, oferecer segurança trabalhista aos jovens ao longo de suas vidas e dar flexibilidade para as empresas”, disse Hollande.

O primeiro-ministro Manuel Valls iniciou na segunda-feira três dias de consultas com os sindicatos, em uma tentativa de salvar a lei diante das críticas que já obrigaram o governo a adiar sua apresentação, inicialmente prevista para esta semana, para o final do mês.

Hollande e Valls foram acusados por prominentes membros de seu próprio partido de serem muito favoráveis às empresas e de terem dado uma guinada à direita.

Outras medidas, como o projeto de lei para retirar a nacionalidade francesa de pessoas condenadas por terrorismo, acrescentaram o mal-estar no eleitorado socialista.

A popularidade de Hollande despencou ao mínimo histórico de 15%, e a de Valls se encontra em 20%, a 14 meses das eleições de maio de 2017, nas quais o mandatário pode buscar um segundo mandato.

Sistema ‘nas últimas’

No entanto, os partidários da reforma estimam que para reativar a economia francesa é fundamental criar postos de trabalho e manter a competitividade.

O ministro francês da Economia, Emmanuel Macron, afirmou na terça-feira em uma entrevista à rádio France Inter que o desemprego não cai abaixo de 7% há 30 anos.

“Tentamos de tudo? Vamos ver fora da França. O que aconteceu em outros lugares? Todos evoluíram, todos fizeram coisas”, disse.

O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, que impulsionou reformas similares, pediu na terça-feira que os franceses “não se deixem assustar pela mudança”.

As empresas francesas afirmam que são reticentes em contratar empregados permanentes devido aos obstáculos que as impede de demiti-los em tempos de vacas magras.

Embora o primeiro-ministro Valls diga que os jovens serão os que mais se beneficiarão da lei, as organizações juvenis têm sido mais claras em pedir seu abandono total.

Fonte: G1