As articulações para conseguir angariar votos pela aprovação da reforma da Previdência voltaram com força e a expectativa é de que o governo gaste ainda neste ano uma “fatura extra” de pelo menos R$ 14,5 bilhões em troca do apoio de parlamentares. De acordo com o jornal Estadão, a soma ainda pode aumentar nas próximas semanas, devido a medidas que incluem compensações a estados, ajuda a prefeitos e emendas parlamentares.

Apesar de ainda estar longe de alcançar os 308 votos necessários para aprovar o texto da reforma, o governo se diz otimista e ainda não desistiu do plano de votar a proposta ainda esse ano. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou que a votação deve ocorrer na primeira semana de dezembro, mas o Planalto garantiu que a reforma não deverá ser pautada até que haja certeza de que o governo tem o número necessário de votos para a aprovação.

Temer tem utilizado de benesses oferecidas a parlamentares para melhorar o clima com o Congresso, além de angariar o apoio de prefeitos e governadores.

Fonte:  metro1.com.br