Confederação teme que as Centrais Sindicais negociem com Governo somente a manutenção dos direitos trabalhistas

O presidente da COBAP, Warley Marttins, está preocupado com o resultado das negociações entre os ministros e as centrais sindicais. Ele teme que as lideranças sindicais se furtem a defender com afinco as pensionistas e foquem somente as forças na manutenção dos direitos trabalhistas.

Os sindicalistas têm reunião agendada nesta terça-feira, 3 de fevereiro, em São Paulo, às 17 horas, com os ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto; da Previdência Social, Carlos Gabas; e do Trabalho e Emprego, Manoel Dias.

A COBAP, que não foi oficialmente convocada a tomar parte nestas negociações, torce para que o grupo sindical mantenha a conduta de pedir ao governo a revogação das Medidas Provisórias 664 e 665, relacionadas à Previdência Social, ao seguro-desemprego e ao seguro-defeso.

Diante deste complicado quadro político, a COBAP conclama todos os aposentados e pensionistas brasileiros a pressionar seus antigos sindicatos, no sentido que reivindiquem junto às centrais a manutenção da revogação ou derrubadas das duas medidas provisórias de Dilma.

“Não podemos admitir que as pensionistas sejam usadas como moeda de troca, de forma a manter somente os direitos dos trabalhadores da ativa. Não podemos recuar e permitir que o governo prejudique economicamente milhões de futuras viúvas. Vamos juntos combater essas injustiças”, declarou Warley.

Fonte: COBAP