O presidente da Anfip – Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal-, Vilson Antonio Romero, ressaltou que, conforme análise feita anualmente pela associação com base em dados do próprio governo, a Seguridade Social é superavitária. “Temos visto uma sequência de superavit todos os anos, apesar da recessão, das despesas, dos programas sociais. O que o governo realmente quer [com a reforma] é aumentar a idade mínima para aposentadoria. Já existe idade mínima, que é o modelo 90/100. Querem condenar uma parte da população a morrer antes de receber seu benefício”, lamentou.

A afirmação foi proferida durante palestra sobre a Previdência Social nesta quinta-feira (16), em Brasília, para a diretoria executiva e os presidentes das 42 federações filiadas à Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB).

O presidente também alertou para a tentativa de desvinculação dos valores dos benefícios do salário mínimo: “Estão precarizando a Previdência Social. Se desvincularem, estaremos caminhando para, daqui a pouco, termos aposentadorias menores que o piso nacional. Não se pode mexer em Previdência ao bel-prazer de quem está no governo. Todos os governos falaram em reforma da Previdência, mas sempre na lógica de precarizar e retirar direitos.”

Já o vice-presidente da associação Floriano Martins de Sá Neto lembrou que a Anfip faz parte do grupo de trabalho das centrais sindicais sobre a reforma da Previdência, que já encaminhou propostas ao governo. “Mas a Casa Civil se contrapôs e a Anfip vai preparar os argumentos necessários para quando as propostas estiverem tramitando [no Congresso Nacional]”, completou.

Para o presidente da CSPB, João Domingos, afirmou que o próprio governo usa os dados da entidade, mesmo que seja para se contrapor. “A presença dos especialistas representa que as armadilhas dessa proposta do governo não prosperarão”, ressaltou Domingos.

Fonte: Anfip