O plenário da XXVII Convenção Nacional reuniu Auditores Fiscais da Receita Federal de todo país, familiares e convidados, para o evento de maior expressão política da ANFIP, onde são reafirmadas as ações da Entidade na busca de melhorias para o serviço público e seus servidores, onde se defendem ideias às causas sociais, a justiça fiscal e o fortalecimento das relações entre os associados.

A mesa de abertura contou com a presença de Maria José de Paula Moraes, presidente da ANFIP-DF; Floriano Martins de Sá Neto, presidente da ANFIP; deputado Rodrigo Coelho (PSB/SC); deputada Érika Kokay (PT/DF); Dulce Wilennbring, coordenadora da Mesa do Conselho de Representantes da ANFIP; Margarida Lopes de Araújo, coordenadora do Conselho Fiscal; Aurora Maria Miranda Borges, presidente da Fundação ANFIP; Charles Alcantara, presidente da Fenafisco; George Alex Lima, diretor do Sindifico; Edson Haubert, presidente do Mosap; Geraldo Seixas, do Sindireceita; e Levy Fidélix, do PRTB.

Também foram destacadas as presenças de Marvile Taffarel, Assunta Di Dea Bergamasco, Jorge Cezar Costa, Margarida Lopes Araújo e Severino Cavalcanti de Souza, ex-presidente da Entidade.

A presidente da anfitriã ANFIP-DF, Maria José Morais, saudou os presentes e destacou a união em seu pronunciamento: “É um prazer enorme receber a nossa categoria em Brasília para a XXVII Convenção Nacional. Aqui serão debatidos assuntos de interesse de todos os Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, bem como serão apresentados os candidatos ao próximo Conselho Executivo da Associação. Os conselheiros da ANFIP nunca se furtaram em defender a categoria e a Associação sempre se colocou à frente de grandes debates de assuntos sociais e políticos. É chegada a hora de todos os Auditores se unirem em prol de objetivos comuns, pela valorização da carreira e dos preceitos da justiça fiscal e social. Bom evento a todos”.

O presidente da ANFIP, Floriano Martins de Sá Neto, agradeceu à organização do evento e aos integrantes do Conselho Executivo, os quais citou nominalmente em agradecimento. “Não se consegue fazer um trabalho se não for em conjunto. Sem este Conselho, não conseguiríamos fazer o que fizemos. A gente concorda e discorda, mas no final de tudo, sobressai o coletivo”, frisou. Floriano Sá Neto estendeu os agradecimentos ao Conselho Fiscal e de Representantes e destacou a importância da união e da organização nas bases.

O presidente da ANFIP falou ainda do combate à reforma da Previdência e da importância da Reforma Tributária Solidária; alertou para o desmonte do Estado, com a extinção, ao longo dos anos, de várias instituições, entre elas o Ministério; lamentou o desmantelamento da Receita Federal. “Sabemos quais as consequências de não ter fiscalização. Essa categoria não pode continuar desunida. Buscamos um caminho de união na carreira. A ANFIP não quer ser parte de problema queremos ser parte da solução, da pacificação”, enfatizou.

Estudos – O deputado Rodrigo Coelho afirmou que, como advogado da área previdenciária, sempre utiliza os estudos produzidos pela ANFIP e ressaltou o trabalho da Associação no combate à PEC 6/2019, da reforma da Previdência. “A ANFIP tem sido parceira e nos tem dado grande apoio lá no Congresso Nacional. As votações têm sido feitas, apesar do ambiente hostil e polarização, mesmo após as eleições. Se aprovada essa reforma, vai acabar de vez com o que a gente entende hoje como Previdência Social. É um golpe duro no princípio da repartição e da solidariedade. A capitalização não tem segurança nenhuma e não se sabe o custo dessa transição”, alertou o parlamentar.

Para Coelho, se aprovado o texto apresentado pelo Executivo, o número de pobres do país e de pessoas que dependem dos programas sociais vai aumentar. “Esse discurso que está sendo vendido vai criar um problema ainda maior daqui a 5, 10 anos. Pressionem seus parlamentares nos estados. A ANFIP tem um link lá no site que faz o envio de e-mail para todos os deputados. É importante fazer esse contraponto, pressionar as bases, do seu estado, para, se possível, minimizar os danos gravosos dessa reforma. O ambiente lá na Câmara é de se fazer a reforma. Mas, precisamos minimizar os danos da PEC 6”, alertou.

Gratidão – A deputada Érika Kokay falou da gratidão que sente em relação à ANFIP, que, com seus trabalhos, subsidiam os parlamentares em suas atividades. “Feliz são aqueles que, ao desenvolverem suas atividades cotidianas, desenvolve-as para que o país seja mais justo e solidário”, destacou, ao falar da perspectiva de trabalho da Associação para a conquista da justiça fiscal para o país. Érika relembrou as atividades parlamentares da ANFIP na legislatura passada contra a reforma da Previdência, que perdura ainda hoje. “Foi a ANFIP que disputou as narrativas com coragem e destrinchou os dados para termos argumentos necessários para dizer que essa reforma penaliza a população de baixa renda do país. Dos R$ 1 trilhão, R$ 800 bilhões saem do RGPS”, frisou.

Érika Kokay falou ainda que é preciso a formulação e a manutenção de políticas públicas que assegurem a dignidade humana. “A injusta política tributária precisa ser revista. Queria, dentre tantas coisas, fazer esse agradecimento público pela construção dos argumentos e das narrativas em tempos difíceis”, disse.

Aurora Maria Miranda Borges, que preside a Fundação ANFIP, apresentou o trabalho da instituição, disseminando conhecimentos técnicos e científicos e colaborando nas publicações e participações em seminários por todo país. “Nossa palavra tem muita força. Nós temos credibilidade. Nos unamos e levemos essa credibilidade para que cada dia mais a ANFIP cresça e continue forte nos seus valores e objetivos”, sugeriu.

Margarida Lopes de Araújo fez um relato das atividades do Conselho Fiscal, formando ainda pelos colegas Luiz Carlos Braga e Ercília Bernardo. A presidente da Mesa Coordenadora do Conselho de Representantes, Dulce Wilennbring, saudou as representações estaduais e conclamou a todos para atuarem nos estados. “Compete a nós trabalharmos, não só em Brasília. No nosso estado podemos atuar em diversas situações, levando informações às pessoas em várias oportunidades. Não precisamos de púlpito para falar o que sabemos”, afirmou.

Os presidentes da Fenafisco, Charles Alcântara, do Mosap, Edson Guilherme Haubert, e do Sindireceita, Geraldo Seixas, parabenizaram o trabalho da ANFIP, especialmente o embate à reforma da Previdência, e reforçaram a necessidade de união para o fortalecimento do Estado e, consequentemente, do serviço público e seus servidores.

A XXVII Convenção Nacional continua nesta sexta-feira (31/5). A programação completa pode ser conferida aqui. Ainda é possível acompanhar os trabalhos ao vivo pela página da Entidade no Facebook.

 

Fonte:https://www.anfip.org.br/xxvii-convencao-nacional/agradecimentos-a-atuacao-da-entidade-marcam-abertura-da-convencao/