Auditores fiscais programaram para esta quinta-feira, 3, o Dia Nacional contra a Interferência Política na Receita Federal’. Nos principais aeroportos do País – Confins, Cumbica, Galeão e Brasília -, os auditores planejam protestar ‘contra o desmonte’ na Receita e contra tentativas de loteamento do órgão. Os auditores informam que ‘mais de 1300 cargos e funções de confiança já foram entregues’.
Os líderes da mobilização esperam reunir no protesto mais de quinhentos auditores.
Segundo a Diretoria Executiva Nacional e o Comando Nacional de Mobilização do Sindicato dos Auditores da Receita (SindiFisco), em março de 2016 o governo federal fechou acordo com a categoria abrangendo ajuste salarial – ‘pauta remuneratória’- e um conjunto de medidas para assegurar garantias e segurança jurídica à fiscalização, o que eles chamam de ‘pauta não remuneratória’.
Os auditores destacam que o projeto de lei 5864/16 foi encaminhado em julho, ‘em cumprimento ao acordo efetuado’, e a relatoria foi distribuída ao deputado Wellington Roberto (PR/PB). Segundo os auditores, o parlamentar é ‘um dos principais aliados’ do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), preso na Operação Lava Jato. O peemedebista é alvo de investigações da Polícia Federal, da Procuradoria da República e da Receita.
Algumas semanas depois, segundo os auditores, o aliado de Eduardo Cunha apresentou relatório substitutivo ‘completamente diferente do projeto original, um relatório que fragiliza e desorganiza a estrutura da Receita Federal e que caiu como uma bomba na casa’. “Desde então, a Receita Federal virou um caos”, afirma um auditor.
Fonte: Bahia Economica